sábado, 19 de dezembro de 2015

31 - NAS ÁGUAS DO NOSSO ODIANA * Num terno enlevo





Talvez eu seja os versos que te escrevo

neste deslumbramento da Poesia

que vai além de nós, num terno enlevo,

e ganha a fantasia da magia




Talvez meus versos sejam o delírio

da sede que em teus lábios queima intensa

e quer-me a chama trémula dum círio

a arder no sacrifício que te incensa.




Enleio derradeiro da promessa

cumprida de alma pura de ternura

que em lágrimas da vida se despeça.




Que o teu regaço ampare o meu Outono

e eu leve o teu soluço de amargura

para os confins do nada e do abandono!





José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 19/12/2015

Sem comentários:

Enviar um comentário

Procuro ser uma pessoa honesta. Não será bem-vindo a este espaço quem divergir desta minha postura.