quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

31 - NA ÁGUAS DO NOSSO ODIANA * Sonho de romãs





Vinha o sol de Novembro sorrindo

no alvoroço de luz das manhãs.

Vinha terno afagar as romãs

que, a fingir-se caindo,

estouvadas se dão

num derriço de sim e de não…



Uma ténue neblina entretece

uma angústia doída.

Que promessa este sol apetece

num sortílego enleio de vida!



São de sangue os rubis.

Sangue vivo num êxtase doce

que me fita e me diz:

foi o sonho de ti que me trouxe…





José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 30 de Dezembro de 2015.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Procuro ser uma pessoa honesta. Não será bem-vindo a este espaço quem divergir desta minha postura.