quarta-feira, 14 de agosto de 2019

02 - TEMPO DE SORTILÉGIO * O afã da procura



TEMPO DE SORTILÉGIO

.

O afã da procura 






Caminheiro tenaz, perpétuo movimento, 

eu vou e, aqui e além, desvendo e me desvendo. 

Que bom, mesmo que doa angústia ou sofrimento, 

se, a cada instante, for o ser que esteja sendo! 



Que eu saiba recusar a inércia sufocante 

que quer empedernir a lava do vulcão 

e seja, em cada transe, o alor determinante 

da rútila manhã duma revelação! 



E que no fim da minha efémera jornada, 

regresse ao nada, sem remorso nem censura, 

porque rasguei em cada aclive a minha estrada 

e me cumpri no afã instante da procura… 



De herança, apenas deixo esta inquietação 

da lava onde não morre o fogo do vulcão. 





José-Augusto de Carvalho 
13 de Agosto de 2019. 
Alentejo*Portugal 

domingo, 30 de junho de 2019

28 - CLAVE DE SUL * Vento suão


CLAVE DE SUL 


Vento suão 






Vem o vento suão da fornalha de Hefesto, 

na Mãe África. Traz um rubor de artifícios 

e uma mescla de anéis de ancestrais malefícios 

que a bigorna forjou num desígnio funesto. 



Traz os gritos que a dor arrancou da raiz 

e morreram no mar do perpétuo desterro… 

Traz a cruz que de novo agoniza no cerro 

e calada, no horror sem perdão, tudo diz… 



Traz o medo do incréu num juízo final, 

onde o ser e o não-ser se debatem convulsos… 

Traz o verbo na luz sem grilhetas nos pulsos 

e a partilha do pão num sagrado ritual… 



E eu aqui neste chão que foi berço e regaço 

esperando por mim para o último abraço. 





José-Augusto de Carvalho 
29 de Junho de 2019. 
Alentejo * Portugal

sexta-feira, 21 de junho de 2019

02 - TEMPO DE SORTILÉGIO * Traço de união


TEMPO DE SORTILÉGIO 

Traço de união 





Escavo os subterrâneos da ausência 

em busca de vestígios e de escombros 

que jazem nos covais da decadência, 

ornados de mistérios e de assombros… 



Ossadas que me dizem ser o nada 

que resta do que foi vivido outrora… 

Memória sem memória, abandonada, 

e que nenhuma lágrima hoje chora… 



Escavo e não encontro nem um grito, 

um eco de algum ai aqui que diga 

eu sou de ti, ainda que proscrito, 

a génese perdida, a mais antiga… 



E não me deves nada, nem a prece 

que no recolhimento se murmura… 

Em ti, apenas, sou quem permanece, 

quem vai contigo, quem contigo dura… 



Agora que de mim não há mais nada, 

pára de procurar --- já tudo viste. 

E cumpre-te semente germinada, 

que tudo o que já foi em ti existe… 



Atónito, descubro que Sibila 

me trouxe a mítica revelação: 

que nem a morte que nos aniquila, 

destrói o nosso traço de união. 




José-Augusto de Carvalho 
19 de Junho de 2019. 
Alentejo * Portugal

domingo, 16 de junho de 2019

28 - CLAVE DE SUL * Companheiro


(CLAVE DE SUL)

*
Companheiro… 





(À memória de Joaquim Soeiro Pereira Gomes)




Tu sabias, 

sabias desde o berço, 

que o pátrio chão está por resgatar… 



Tu sabias, 

sabias da pertença 

da futura seara por ceifar… 



Tu sabias, 

sabias por que a fome 

maior é sempre a fome da esperança… 



Tua sabias, 

sabias que tão pouco iam durar 

teus tempos de criança… 



Tu sabias, 

sabias que eras mais um entre os tantos 

privados do seu tempo de meninos… 



Tu sabias, 

sabias como eu sei que vamos juntos 

contra as vivas marés dos desatinos… 



Tu sabias, 

sabias, como eu sei, 

que a gente cai e a gente se levanta… 



Tu sabias 

e sabes, como eu sei, 

que o canto da sereia não nos perde, 

não nos seduz, 

não nos encanta…. 




José-Augusto de Carvalho 
15 de Junho de 2019 
Alentejo * Portugal

terça-feira, 4 de junho de 2019

16 - NA ESTRADA DE DAMASCO * Assumpto


NA ESTRADA DE DAMASCO
.
Assumpto





Carrego, desde a queda, a maldição de expulso.

Do mito que não fui à pena de banido, 

a minha condição assumo em cada impulso 

de ousar o desafio e dar-me algum sentido. 




Os passos que já dei! Memória das estradas 

de um tempo em construção. Derramo o sangue rubro 

na aras das manhãs de angústias orvalhadas 

onde sem medo sou e vivo me descubro. 




E cada descoberta é uma porta aberta… 

E, em cada porta aberta, o mesmo desafio 

dizendo-me que sou assim desde o começo… 




Imensa, a dimensão do todo me liberta. 

Do círio ardendo sou telúrico o pavio 

onde sem mito nem grilhão me reconheço. 





José-Augusto de Carvalho 
4 de Junho de 2019. 
Alentejo * Portugal

segunda-feira, 20 de maio de 2019

13 - NA PALAVRA É QUE VOU... * Os descaminhos


NA PALAVRA É QUE VOU…

*
Os descaminhos


Uma estrada de cem léguas começa por uma passada…
Um incêndio pode começar com uma faúlha…




O futebol profissional é um espectáculo como outro qualquer. Os estádios se emolduram de povo e os artistas exibem os seus dotes no relvado.
A diversão é salutar e desde há muito que as sociedades humanas organizadas propiciam ao povo espectáculos lúdicos. Até porque nem só de pão vive o ser humano…
Há espectáculos lúdicos ou de outra natureza que provocam emoções, sabemos disso; mas também sabemos que o ser humano tem o dever de controlar as suas emoções por um imperativo de cidadania.
O atropelo de noções básicas de convivência gera situações de conflito que deterioram o ser e estar da comunidade.
A sociedade organizada tem meios legais para se reclamar de uma qualquer situação que se nos apresente como injusta. Afinal, vivemos num Estado de Direito.
É ilegítima a reacção insultuosa e/ou caluniosa, seja para com os nossos semelhantes, seja para com instituições públicas ou privadas.
Uma sociedade civilizada tem o dever de saber defender-se, de saber respeitar-se, de saber fazer-se respeitar…
A foto que ilustra este texto, é só mais uma gota do oceano de discórdia onde perigosamente parece querermos mergulhar.
Sem animosidade, mas preocupado com a sociedade onde vivo, uso do meu direito elementar de cidadão para opinar
.
Nota: Foto do jornal O Jogo, com a devida vénia.

*
José-Augusto de Carvalho
19 de Maio de 2019.
Alentejo * Portugal.

terça-feira, 7 de maio de 2019

13 - NA PALAVRA É QUE VOU... * A instante interrogação

NA PALAVRA É QUE VOU...

*
A INSTANTE INTERROGAÇÃO




Para além dos múltiplos deveres e direitos do quotidiano, para além do convívio social dito civilizado do mesmo quotidiano, para além dos afectos, a nossa vida é a instante interrogação de nós mesmos e de tudo o que nos perturba e nos reduz ao desconforto ansioso do real que intuímos e à utopia que perseguimos.
Passamos pela existência de outrem e deixamos ou não memória de nós; passam pela nossa existência e deixam ou não memória da sua passagem. E quando a memória não é perene, poderemos ou não citar Lavoisier? Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma… (cito de cor).
Se, por um motivo ponderável ou não, nos ausentamos, o convívio social dito civilizado já referido sentiu a nossa ausência ou continua imperturbável? Será que, perante a nossa ausência, indiferente sentencia só fazem falta os que estão?
Certa vez, uma pessoa me falava incomodada de alguém que experimentava o outro. Experimentava na acepção de testar, sublinho. Confesso que fiquei surpreendido e ainda hoje assim continuo. Não tenho a pretensão de molestar quem pensa diferente, mas vejamos:
1- Como me parece adequado, comecemos pelo "princípio". Sim, princípio em itálico. Tenho por certo que pouco ou nada sabemos do Princípio e pouco ou nada saberemos do Fim. Aqui vamos neste nosso tempo fazendo os possíveis e sonhando os impossíveis para chegarmos inteiros ao fim da efémera jornada. Ora bem, o mito do Eden é claro: Deus testou ou experimentou Adão e Eva com o fruto proibido. E, que me conste, ninguém molesta Deus por isso.
2- Quando o outro é testado numa prova qualquer, também ninguém ergue a voz protestando.
3- Quando sondamos o outro no sentido de sabermos se contamos ou não com ele para um objectivo qualquer, estamos testando a sua (in)disponibilidade.
4- Quando criamos uma expectativa do outro, alguns indícios dele conhecemos ou supomos conhecer e esses indícios pressupõem um teste indirecto.
Afinal, qual de nós não testa o outro?
Colocado quanto antecede, a conclusão parece evidente: a nossa existência é uma interrogação permanente de nós mesmos perante o outro porque só no outro poderemos encontrar-nos ou não e assim nos cumprirmos ou não.
*
José-Augusto de Carvalho.
Alentejo* Portugal