quarta-feira, 7 de setembro de 2016

03 - ESTA LIRA DE MIM!... * Ser poeta



(Do baú do esquecimento)

Ser poeta






Um verso, um simples verso de um poema

não nasce por vontade de escrevê-lo.

Um verso é sempre a angústia de um apelo

na redenção de nós em hora extrema.



Um verso canta harmónico no peito

ou dói e é um soluço na garganta.

Um verso é um alor que se levanta

e contra o tempo voa ou cai desfeito.



A ti que julgas belo ser poeta,

e esquece aqui juízos de valor,

repara: quando a planta dá a flor,

é sempre uma promessa que projecta.



Na vida sempre somos a procura

que além nos ares ganha ou perde altura!







José-Augusto de Carvalho
Lisboa, 12 de Julho de 1993.
Alentejo, 7 de Setembro de 2016.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Procuro ser uma pessoa honesta. Não será bem-vindo a este espaço quem divergir desta minha postura.